Constelar é Viver

Como entrar em harmonia com meus pais?

09 de janeiro de 2020

Toda vez que eu entro em contato com a minha mãe eu tenho um conflito com ela.
Toda vez que eu tento resgatar a relação com meu pai existe um conflito, uma dificuldade de entrar em equilíbrio.

O que pode estar acontecendo?
Quando a gente fala de um conflito dentro da família, normalmente esse conflito já é a SOLUÇÃO para algo. Então, devemos olhar para esse conflito de uma forma muito natural, do jeito que ele é. Sem querer trazer um padrão de certo e errado para minha mãe ou para o meu pai. Os nossos conflitos eles já contém uma solução e estão conectados a uma CONSCIÊNCIA MAIOR, revelam muitas vezes atitudes dos nossos ancestrais, essa informação está em nossa Alma Familiar.

Vamos supor que sou o filho e estou em busca de uma reconexão com minha mãe. Eu espero uma atitude qualificada dela como mãe, ou uma atitude qualificada do meu pai. Em mim há um amor infantil que está na expectativa muitas vezes de um afago, um acolhimento. Então percebo que isso não acontece, no lugar da minha expectativa, um conflito…Porque isso acontece?

A mãe pode estar conectada a uma história, ou mesmo a um evento. Conectada, ou, como dizemos na Constelação Familiar, “olhando” para uma outra questão da vida dela. Não estando 100% disponível. Às vezes o corpo pode estar, mas a alma não.

Até mesmo a criança ou um adolescente sente quando a mãe, ou pai, está olhando para outra questão dentro da sua própria Alma Familiar. Essa mãe/pai pode estar olhando por exemplo para o seu próprio pai (meu avô), que não estava disponível junto a mãe (minha avó). Então, por lealdade a própria mãe dela, ela toma o papel de seu pai dentro de alguns aspectos da relação em família, pra suprir aquela falta. Assim, hoje, minha mãe acaba ficando indisponível para mim, pois ainda está conectada a essa questão. Eu, de alguma maneira, quero que ela esteja disponível a mim, porém, não enxergo essa questão.

Então, quando conseguimos abrir essa Constelação Familiar conseguimos dar um passo e olhar pra esses avós, as vezes até para os bisavós, fazendo com que essa família toque num amor mais profundo , uma percepção mais alma. Assim eu paro de buscar uma mãe e pai ideal e olho com verdade para o pai e para a mãe que eu tenho.

Caso olhe para eles buscando certos e errados, surgirão pensamentos como: Mas a minha mãe deixou de fazer algo por mim…Minha mãe não faz isso pra mim… Ela não quis estar comigo nesses lugares. Essa perspectiva mostra que dentro de mim quem busca essa mãe ainda é uma criança.  Sou alguém que conseguiu se estruturar, se desenvolver, mas que ainda busco um olhar de aprovação ou concertar esse pai e essa mãe a partir de uma perspectiva limitada. Isso é um reflexo de um amor infantil.

Honrar o pai e a mãe é um exercício diário, pois uma parte nossa, essa parte mais infantil quer ficar conectada com eles, com essa expectativa restrita. E isso não é uma realidade. Eu tenho que aceitar as escolhas deles, certas ou erradas. São as escolhas deles.
Através da perspectiva sistêmica, percebo que minha mãe está olhando pra algo muito mais difícil. Até mesmo algo para me proteger, muitas vezes os pais ficam doentes pra que esse contingente de energia não chegue nos filhos, pra que essa energia ou história fique contida e não se perpetue. Esse é o momento de fazer o movimento de aceitar essa escolha sem julgamentos e dizer: “Eu agradeço, você quis me proteger” e isso traz uma cura incrível. Ou seja, dentro dessa relação, quando eu busco minha mãe e ela está “olhando” para outro lugar, eu devo dizer um “sim” pra minha mãe, um “sim’ pra vida dela, do jeito que ela é, com todas as histórias que ela carrega. Muitas vezes são histórias que eu nem sei, histórias que são profundas demais dentro dessa alma familiar.

O trabalho da Constelação Familiar é ouvir esses ancestrais, perceber o que eles querem, pra que consigamos dar um passo com essa consciência maior, com uma percepção mais ampla dessas histórias. Juntos, pois quando eu estou feliz, quando eu me realizo, ou curo, meus antepassados também estão, através de mim.

Problemas são soluções. Os conflitos sempre refletem e estão revelando algo maior. Ao amplia-los podemos enxergar a solução. Normalmente eles servem a um amor inconsciente. Quando eu trago um amor real, ao dar um lugar com amor e respeito, eu fico livre para conseguir construir o melhor.

sobre o autor

Gil Mori

Criador da página “Os círculos do amor” escreve para blogs sobre como podemos mudar nossas relações de forma simples. Hoje atua com os atendimentos individuais no Espaço Viver com Arte em São Paulo capital e com oficinas, workshops e treinamento em todo o Brasil.

Você também pode gostar de: